sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Melancolicamente feliz

Tinha tudo pra dar certo, mas não deu. Era tudo tão simplesmente complicado que dava até náuseas, cheguei a um ponto extremamente enjoativo em que fui capaz de vomitar qualquer satisfação pelo que acontece num dia específico, talvez a vida toda.  Senti que era a única que me contentava com apenas um sorriso que não exigisse nada em troca. Queria ter a falsa sensação de viver num mundo em que todos enxergavam a alma e não uma beleza artificial que só serve para cegar.
Enquanto pensava nisso percebi que estava no meio da rua e sentia agora meus pés molhando numa pequena poça enlameada, o céu estava fechando e sim, era hora de abrir um guarda chuva que espantasse quaisquer pensamentos sem cabimento tais como os anteriores. Todas as reflexões vêm na chuva, mas por quê? Porque não em dias lindos e ensolarados? Enquanto imagino um futuro bom eu preciso ser acertada por gotículas frias e poças semi-enlameadas? Preciso? Não, mas a chuva é o meu refúgio onde eu acompanho seca minha própria fuga.
Gosto de dias chuvosos, nublados e frios. Eles me fazem melancolicamente feliz.


Michelle Saimon