domingo, 17 de fevereiro de 2013

Cheiro de céu



Acabrunhada em pensamentos por vezes tão demoníacos que assustariam o próprio capeta. Quanto a Deus , este já nem mais se surpreendia com os redemoinhos que viviam a se formar naquela cabecinha de vento. Ia sempre a passos lentos, como quem tivesse a intenção de calcular quantos passos media sua ousadia, ou talvez o que quisesse mesmo era que esta durasse mais. Gostava de sentir o cheiro do céu. Não, não sabia o que era exatamente o tal cheiro ou se este poderia mesmo existir, mas gostava mesmo assim. Gostar do que não existe é tão bom, até porque, a partir do momento que se gosta é porque se fez nascer para que se fosse gostado por alguém. Voltando a história dos cheiros, é gostoso sabe? Dia desses eu também senti cheiro de céu e quando você consegue inventar um aroma assim e senti-lo dentro de si é quase como que ganhar na loteria.
Acho que também gosto de cheiro de céu, tanto que poderia inala-lo de tal maneira que o sentiria com o maior dos prazeres o mesmo descendo pela minha garganta, fazendo-o entalar um pouquinho para que a sensação durasse mais, e neste momento eu saberia que transcenderia aos maiores encantos e amaria para sempre seus mistérios cheios de nuvem. Estão sentindo também? Palavras de Bandeira na mão e na vida e a doçura de sua Arlequinada encantada.