terça-feira, 5 de agosto de 2014

Coisa de poeta



Michelle Saimon e Maycon Jhossys, em 05 de agosto de 2014

Deve ser maldição de poeta
Esse ímpeto de
Viver à flor da pele
De soltar o sentimento
Ao invés de regra-lo

De atirar como
Semente ao vento
E então regá-lo

Como planta carnívora
Que vem devorando
Carne e alma
E que jamais sacia
O seu querer

A gente rega,
Afoga
Joga para longe
Afim de afastá-lo
Para que depois
Brote da lama

Mas é que nossa alma perdida
Que em canto algum
Acha alento,
Só ao escrever é que
Faz vibrar os sentimentos
E então espalhar as sementes
A todos os ventos.