segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Me pinto sim



Um  velho homem que só conheço de rosto
O moço barbudo que chega e diz
“Porque você se faz tão senhora?
Se pinte não, que você fica velha, moça.”
Me pinto sim porque sou senhora
Porque vivo a me fantasiar de mim
Por querer me assemelhar as borboletas
Coloridas, vivas
Por ser encarnada nas metamorfoses
Por transcender a matéria corpo que nasci,
Sendo artista nele
Me pinto sim por ser tão eu pintora
Velha de alma
Ainda sem rugas na face
Mas em ensaio do que já tem por dentro.
Pintora dos dias

Que anda sem calma versando o que vê.